Festival de Fado

 

 

De 13 a 16 de agosto de 2013 em São Paulo

 

TOM JAZZ & HSBC BRASIL

__________________

 

 

CASA DO FADO / TOM JAZZ

Dias 13 e 14 de agosto no TOM JAZZ

Apresentação da jovem fadista portuguesa CUCA ROSETA
Com participação especial de MARIANA AYDAR e MIGUEL CAPUCHO
+ Jantar elaborado pelo Chef VITOR SOBRAL (Tasca da Esquina)

_____________________

SHOWS COM OS MAIORES CANTORES PORTUGUESES DA ATUALIDADE
E EXPOSIÇÃO ‘FADO’ / HSBC BRASIL

Dias 15 e 16 de agosto no HSBC BRASIL

Dia 15 de agosto, 21:30 hr.: MARIZA
Dia 16 de agosto, 22:00 hr.: ANTONIO ZAMBUJO
Dia 16 de agosto, 23:15.: ANA MOURA com participação especial de CRIOLO.

Chega ao Brasil o primeiro FESTIVAL DE FADO, a ser realizado em São Paulo e Rio de Janeiro, de 13 a 18 de agosto de 2013. Trata-se da maior mostra de fado já realizada no Brasil e uma justa homenagem a esse gênero musical, expoente maior da cultura portuguesa, considerado pela UNESCO como patrimônio oral e imaterial da humanidade.

 A primeira edição do FESTIVAL DE FADO terá apresentações dos maiores expoentes do gênero na atualidade, artistas renomados que serão os porta-vozes do fado no Brasil: MARIZA, ANTÓNIO ZAMBUJO e ANA MOURA nos dias 15 e 16 de agosto no HSBC BRASIL e dias 17 e 18 de agosto no Rio de Janeiro.

As divas Mariza e Ana Moura trazem o talento, a beleza e o vigor da nova geração de fadistas para o público brasileiro, enquanto o jovem António Zambujo representa a nova linguagem do fado, dialogando com a música tradicional alentejana e a música popular brasileira.

Além das apresentações desses intérpretes, no foyer principal da casa de shows será montada a exposição “Fado”.

É inevitável que um Festival de Fado traga consigo um pouco de Lisboa. E é impossível que uma Casa de Fado não viesse na bagagem.

Assim, a casa Tom Jazz em São Paulo será transformada numa Casa de Fado. Lá teremos a jovem e bela fadista CUCA ROSETA, atenta à tradição, mas desde já deixando sua marca na história do Fado. Em suas apresentações, ela dialoga no palco com outra revelação do fado, o cantor Miguel Capucho. Para essas apresentações em São Paulo, CUCA ROSETA convidou a cantora Mariana Aydar e juntas cantarão o fado “Porto”, entre outras canções.

Ainda na Casa do Fado será servido um jantar especialmente criado para a ocasião pelo chef VITOR SOBRAL, especialista em gastronomia portuguesa que elaborou um menu tipicamente lusitano.

 O FESTIVAL DE FADO, além de estreitar os laços entre as culturas portuguesa e brasileira, apresentará uma exposição ampla sobre o tema, desde o surgimento do gênero e sua evolução através do tempo até os dias de hoje com a renovação e a afirmação de uma nova geração de artistas e intérpretes que trouxeram o fado para as expressões musicais contemporâneas, inserindo-se de maneira definitiva no panorama da música internacional.

O FADO

Uma guitarra, uma voz e muito sentimento. Isto é o Fado.  

Com certeza você já ouviu falar do Fado, a canção que representa a essência da alma portuguesa. Os sentimentos intensos, as conquistas românticas, as tristezas de amor,         a saudade de alguém que partiu, os encontros e desencontros cotidianos da vida são os temas infinitos que continuam a inspirar esse gênero musical.
O instrumento característico do fado é a guitarra portuguesa. Sua origem está no Cistro surgido na França e na Itália do Renascimento.

No final do século XIX, fora das portas de Lisboa, o Fado era ouvido em tavernas simples e desprovidas de luxo onde se misturavam a aristocracia decadente, os pobres, os menos favorecidos e os marginais.

A partir de uma base musical formada por três estilos tocados na guitarra, o Menor (muito lento), o Corrido (rápido) e o Mouraria, os cantores improvisavam e criavam novas melodias, que a princípio eram simples variações e inflexões vocais.

As palavras podiam nascer da improvisação do cantador ou da inspiração de alguém no meio do público, que escrevia ali mesmo seus versos na mesma métrica das melodias já existentes.

No início do Século XX, as Casas de Fado começaram a espalhar-se por toda a cidade de Lisboa, criando assim um ambiente onde se inventava, cantava e sentia-se o Fado.     Ouvia-se um Fado de caráter mais popular nas cidades junto ao mar, como Lisboa ou Porto, mas Coimbra deu-lhe um sentido diferente devido á cena boêmia protagonizada por muitos dos seus estudantes universitários.
As casas de Fado tornaram-se então os locais onde se davam as noites de Fado. Jantar à luz das velas, ao som de uma melodia universal, carregada de melancolia, compreensível até para quem não fala a língua portuguesa.

 

Tal era a força expressiva do Fado que esse gênero ganhou o mundo em poucos anos.  A voz e o talento dramático de Amália Rodrigues se elevaram entre as demais, ela ganhou prestígio internacional e se tornou uma das maiores cantoras do mundo.

O Fado encantou e hipnotizou o planeta, que automaticamente se identificou com essa belíssima carga emocional e trágica.

 

“O Fado não é apenas uma canção acompanhada à guitarra. É a própria alma do povo português. Ouvindo as palavras de cada fado pode sentir-se a presença do mar, a vida dos marinheiros e pescadores, as ruelas e becos de Lisboa, as despedidas, o infortúnio e a saudade”. 

O Fado é hoje um símbolo reconhecido da cultura de Portugal, uma música que circula o mundo, mas mantém a sua essência e acompanha a evolução dos tempos. Amália, a grande diva que internacionalizou o Fado e o levou às grandes salas européias tem hoje em Mariza uma herdeira que continua a projetar o Fado além fronteiras das nações, levando a cultura portuguesa aos quatro cantos do mundo.

O FADO E A MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

 

Há quase 192 anos atrás, o Brasil declarava sua independência de Portugal. Mas, a herança deixada pelos portugueses permanece até hoje nos costumes, na música, na gastronomia, na literatura e em inúmeros aspectos da vida dos brasileiros.

No entanto, na mesma medida que as influências da cultura portuguesa foram definitivas na formação de nosso país, no entanto, quando a realeza lusitana voltou á Europa, levou consigo hábitos e formas culturais adquiridas nos longos anos de permanência no Brasil.

O fado, o estilo musical português por excelência, de acordo com várias fontes, tem sua origem no Brasil. O crítico e pesquisador musical José Ramos Tinhorão e a Enciclopédia de Música Brasileira dizem que o Fado é uma derivação do Lundu brasileiro. Ele surgiu no Rio de Janeiro, no fim do século XVIII como uma dança, e o regresso do rei Dom João VI e sua corte para Portugal, em 1821, foi o responsável pela difusão das cantigas do Fado por Lisboa. Nesse momento, sem sua coreografia dançante; apenas como canção sentimental, sob a forma de “fado português”. 
No Brasil alguns músicos fizeram a viagem de volta e trouxeram para o país a música agora completamente identificada e reconhecida como autenticamente portuguesa. Chico, Caetano, João Bosco, Vinícius e tantos outros escreveram seus próprios Fados, enquanto nomes, como Maria Bethânia, Zé Renato, Ângela Maria e Roberto Carlos deram sua leitura às composições portuguesas. Assim se formou um intercâmbio musical criativo entre Brasil e Portugal, e ainda dois portugueses: Amália Rodrigues e António Zambujo. 
Amália Rodrigues (1920-1999) é a grande dama do fado do século XX e uma das responsáveis pela popularização do gênero, inclusive no Brasil, onde esteve várias vezes. Para ela, Vinicius de Moraes compôs “Saudades do Brasil em Portugal”, como o poeta declara na gravação realizada na casa da fadista em dezembro de 1969.

O músico António Zambujo, nascido em 1975, começou a carreira como fadista cantando e tocando no Clube do Fado em Lisboa. Pouco depois passou a integrar o elenco do musical “Amália”. Em 2010 lançou o seu quarto CD, “Guia”, que tem entre suas faixas “Apelo”, a composição de Vinicius e Baden Powell para a qual deu uma nova leitura, com a melodia do fado “Perseguição”, de Carlos da Maia e Avelino de Souza.

Esse FESTIVAL DE FADO reitera o intercâmbio cultural e musical entre Brasil e Portugal, trazendo dois artistas da novíssima safra brasileira, Mariana Aydar e Criolo, para participações especiais ao lado de Cuca Roseta e Ana Moura respectivamente.

……………………………………………………………………………………………………………………………..

EXPOSIÇÃO ‘FADO’

No foyer principal da casa de shows HSBC Brasil (São Paulo) e na Grande Sala da Cidade das Artes (Rio de Janeiro), será instalada uma exposição com peças históricas e originais relacionadas ao tema. Vindas do Museu de Fado de Portugal, sediado em Lisboa, é a primeira vez que essa mostra sai da Europa.

A exposição, aberta ao público durante o Festival, traz pela primeira vez ao Brasil peças emblemáticas do Fado que contribuíram de forma decisiva para o estabelecimento desse gênero musical como símbolo da cultura portuguesa.

Essa mesma mostra, intitulada apenas “Fado”, esteve recentemente exposta na sede da UNESCO em Paris.

Produzida pelo Museu do Fado, esta exposição ilustra a história do Fado desde a sua gênese até a atualidade, reunindo uma iconografia riquíssima formada de partituras, cartazes, jornais, revistas e fotografias que ilustraram, divulgaram e consagraram o Fado como a canção urbana de Lisboa, por excelência.

Estarão expostos desde cartazes e programas dos antigos Teatros de Revista,  gravações fonográficas, as transmissões radiofônicas, as aparições do Fado no cinema e na televisão, até à atual internacionalização nos grandes palcos do mundo e a crescente afirmação do fado nos circuitos da ‘world music’.

Diversos recursos audiovisuais estão também previstos ao longo do circuito expositivo com projeções de filmes e documentários permitindo ainda a possibilidade de audições de diferentes registros e gravações de Fados.

O FESTIVAL DO FADO é uma realização da NATASHA, empresa de Connie Lopes, em parceria com a produtora portuguesa EVERYTHING IS NEW, de Álvaro Covões.

Connie Lopes é a idealizadora do Festival “Back2Black”, dedicado à cultura negra e que terá sua quinta edição realizada no Rio de Janeiro em 2013.

Álvaro Covões acaba de realizar a 7ª edição do maior festival de música pop de Portugal, o “Optimus Alive”.

 

 *************************************************************************

MARIZA

Nenhum outro artista português desde Amália Rodrigues construiu uma carreira internacional com semelhante sucesso. Em menos de doze anos, Mariza passou de um fenômeno local quase escondido, partilhado apenas por um pequeno círculo de admiradores lisboetas, para uma das mais aplaudidas estrelas do circuito mundial da World Music.

Considerada a “voz do fado”, Mariza tem um milhão de discos vendidos em todo o mundo, três nomeações ao Grammy, três BBC Awards como melhor artista européia, o Prêmio de Melhor Intérprete da Fundação Amália Rodrigues e foi nomeada Embaixadora de Boa Vontade da UNICEF.

Mariza interpreta de forma peculiar o Fado, e já se apresentou nos  palcos de maior prestígio no mundo, como o Olympia de Paris, a Ópera de Frankfurt,  The Royal Festival Hall, em  Londres, o Palau de la Música de Barcelona, a Sydney Opera House, o Carnegie Hall de Nova Iorque e o  Walt Disney Concert Hall de Los Angeles – neste último, com uma cenografia especialmente concebida por nada mais nada menos, do que Frank Gehry.

No cinema, foi uma das estrelas principais do filme Fados, do espanhol Carlos Saura, exibido em quase cem países, e protagonista do documentário Mariza and the History of Fado, produzido para a BBC pelo crítico musical Simon Broughton.

Tem como parceiros musicais nomes como: Jacques Morelenbaum, John Mauceri, José Merced, Miguel Poveda, Gilberto Gil, Ivan Lins, Lenny Kravitz, Sting, Cesária Évora, Tito Paris, Rui Veloso e Carlos do Carmo. Seu repertório, embora permaneça firmemente ancorado no Fado clássico e contemporâneo, expandiu-se para incluir mornas cabo-verdianas, clássicos do Rhythm & Blues e quaisquer outras melodias que lhe sejam queridas.

A menina de Moçambique criada no bairro popular lisboeta da Mouraria apropriou-se das raízes da sua cultura musical e converteu-se numa artista universal capaz de se abrir ao mundo sem perder a consciência intensa da sua identidade portuguesa.

 Mariza – voz

José Neto – guitarra portuguesa

Pedro Jóia – guitarra acústica

Yami – baixo acústico

Vicky – percussão

Mais em:

www.mariza.pt

www.facebook.com/marizafado

_________________________________________________________________________

ANA MOURA

Uma voz que passeia pela tradição livremente, sem deixar de flertar com a música pop, expandindo de uma forma muito pessoal o raio de ação da canção de Lisboa. Ana Moura transforma instantaneamente em fado qualquer melodia que encoste em seu timbre grave e sensual.

Depois de ter seduzido Rolling Stones, Prince, Caetano Veloso e Herbie Hancock, a cantora traz ao Brasil o resultado de seu 5ª e aclamado disco, “Desfado”, em que canta os autores de sua geração.

Nomes como Pedro da Silva Martins (Deolinda), Nuno Figueiredo e Jorge Benvinda (Virgem Suta), Márcia Santos (autora do primeiro single, “Até ao Verão”), Luísa Sobral, António Zambujo, Miguel Araújo Jorge (Os Azeitonas) e Manuel Cruz (Ornatos Violeta, Supernada) compõem o repertório do disco.

Em “Desfado”, Herbie Hancock registrou o seu famoso piano elétrico que ajudou a revolucionar o jazz ao lado de Miles Davis e Wayne Shorter num tema inédito assinado pela própria Ana Moura, “Dream of Fire”.

A cantora tem em seu currículo um Globo de Ouro, presença nos tops de vendas da Billboard e da Amazon, nomeação como “Artista do ano” para os prêmios da revista inglesa Songlines, e participações em shows de Prince  e Gilberto Gil, entre outros.

“Desfado” foi editado em vários países e sua turnê já passou por Suíça, Alemanha, França, Espanha, Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Holanda e Bélgica.

O show de Ana Moura conta com um convidado super-especial. Criolo sobe ao palco para mostrar que as tristezas do fado não são tão distantes das trágicas periferias das metrópoles brasileiras.

Ana Moura – voz

Angelo Freire – Guitarra

Pedro Soares – guitarra acústica

André Moreira – baixo acústico

João Gomes – teclado

Mario Jorge – bateria e percussão

Mais em:

www.anamoura.com.pt

www.youtube.com/anamourafado

www.facebook.com/anamoura

twitter.com/Ana_Moura

_________________________________________________________________________

 ANTÓNIO ZAMBUJO

António Zambujo tem aquilo que muitos procuram ao longo de uma vida inteira sem chegarem a encontrar: um estilo próprio. Sua liberdade criativa e musical lhe rendeu desde o início de sua carreira fonográfica o reconhecimento como um dos grandes músicos portugueses, que renovou a linguagem do Fado, dialogando com culturas vizinhas, como a brasileira e a cabo-verdiana.

Enquanto lançava seu terceiro disco, “Outro Sentido”, Zambujo foi surpreendido por elogios de Caetano Veloso em seu blog Obra em Progresso. Caetano escreveu “…o que se ouve em Zambujo é algo que já vai mais fundo. É um jovem cantor de fado que intensificando mais a tradição do que muitos de seus contemporâneos, faz pensar em João Gilberto e em tudo que veio à música brasileira por causa dele.”

Nascido em Beja, em 1975, cedo descobriu a sua paixão pela música, tendo começado a estudar clarinete com apenas 8 anos, no Conservatório Regional do Baixo Alentejo.
Mas não seria a música clássica que arrebataria definitivamente o coração de Zambujo. 
Os cantes alentejanos e o fado rapidamente se tornaram paixões, sendo Amália Rodrigues, Maria Teresa de Noronha, Alfredo Marceneiro e João Ferreira Rosa as suas principais referências. 

Com apenas 16 anos, António ganha um concurso local de fado, mas só quando se muda para Lisboa, terminados os estudos de clarinete, é convidado por Mário Pacheco para se apresentar no  prestigiado Clube do Fado, em Alfama. Daí a conseguir um dos papéis no musical “Amália”, de Filipe La Féria, foi um instante. O carinho e reconhecimento do público foram imediatos. 

Em 2006, a Fundação Amália Rodrigues concede-lhe o Prêmio Amália na categoria de Melhor Intérprete Masculino de Fado.

O escritor José Eduardo Agualusa comenta ao escutar o álbum ‘Quinto’:

Não é difícil escrever sobre bons projetos. Um bom projeto é aquele que nos provoca, que nos faz pensar. Surpreendeu-me em primeiro lugar a voz de Zambujo, capaz, sem esforço, de iluminar cada palavra. Agradou-me, além disso, o saudável desrespeito pelas fronteiras. A facilidade com que mistura diferentes gêneros, do fado à bossa nova. Finalmente, seduziu-me o bom humor e a ironia de algumas  das letras que canta. Cantadas por Zambujo, todas as coisas ganham uma luz de princípio de mundo”. 

António Zambujo – voz

Ricado Cruz – baixo acústico

Bernardo Couto – guitarra portuguesa

José Miguel Conde – clarinete

João Moreira – trumpete

Mais em:

http://www.antoniozambujo.com

_________________________________________________________________________

CUCA ROSETA

Uma das mais aclamadas novas vozes do Fado, Cuca Roseta se apresenta pela primeira vez no Brasil. O seu disco de estréia, intitulado apenas “Cuca Roseta”, foi produzido pelo conceituado produtor argentino Gustavo Santaolalla, vencedor de 2 Oscars e vários prêmios Grammy. Cuca começou sua carreira se apresentando em Casas de Fado e seu sucesso foi imediato, tendo reunido as melhores críticas nas mídias nacionais e internacionais. Em São Paulo, a cantora brasileira Mariana Aydar participa do evento cantando o fado “Porto” gravado em seu mais recente disco, além de interpretar outras canções ao lado de Cuca Roseta.

Cuca Roseta – voz

Miguel Capucho – voz (participação especial)

Pedro Viana – guitarra portuguesa

Miguel Gonçalves – guitarra

Frederico Gato – baixo acústico

Mais em:

http://www.cucaroseta.com

_________________________________________________________________________

VITOR SOBRAL 

É a grande referência nacional e internacional da Culinária Portuguesa. Conhecido pela sua inimitável habilidade em modernizar os pratos mais tradicionais portugueses, sem perder a ligação com os produtos, temperos e sabores tipicamente locais.

Sobral é um chef incontornável quando se fala na arte de inovar a gastronomia portuguesa e usa as mais inovadoras técnicas de alta cozinha com os mais genuínos produtos portugueses. Tem um restaurante em Lisboa e outro em São Paulo, o “Tasca da Esquina”.

 Mais em:

http://www.vitorsobral.com

 

*************************************************************************

FESTIVAL DE FADO / SÃO PAULO

CASA DO FADO no TOM JAZZ

Reprodução de uma autêntica Casa de Fado, com um jantar típico da culinária portuguesa comandado pelo chef  Vitor Sobral. Apresentação da jovem fadista Cuca Roseta com a participação especial de Mariana Aydar e Miguel Capucho.

Dia 13 de agosto de 2013, terça-feira. 

Dia 14 de agosto de 2013, quarta-feira.

 

LOCAL: TOM JAZZ

               Av. Angélica 2331 / Higienópolis / São Paulo

               Capacidade: 200 lugares / Ar Condicionado / Acesso para Deficientes.

               Estacionamento com manobrista / Sem área para fumantes.

 HORÁRIO: Primeiro set: 21h30 / jantar servido/ Segundo set: 22h30

Abertura da casa: 20h00

INGRESSOS: R$ 200,00 com jantar e 02 sets

 FESTIVAL DE FADO – SHOWS NO HSBC BRASIL

 Serviço São Paulo – HSBC Brasil

Local: HSBC Brasil

Endereço: Rua Bragança Paulista, 1281, Chácara Santo Antonio, São Paulo

Dias: 15 e 16 de agosto de 2013, quinta e sexta-feira

Horário de início do show:

Dia 15 de agosto – 21h30

Dia 16 de agosto – 22h00

Abertura da casa:

Dia 15 de agosto – 19h30

Dia 16 de agosto – 20h00

Informações e compra de ingressos:

# BILHETERIAS HSBC BRASIL – Rua Bragança Paulista, 1281 / Chácara Santo Antônio
(Horário de atendimento: segunda a sábado, das 12h às 22h e domingos e feriados, das 12h às 20h)

# COMPRA POR TELEFONE – Ingresso Rápido – Tel: 4003-1212
(Horário de atendimento: segunda a sábado, das 9h às 22h)

(Formas de Pagamento: cartões de crédito Visa, Mastercard, Credicard, Diners);

# COMPRA PELA INTERNET

(www.hsbcbrasil.com.br / www.ingressorapido.com.br)

(Formas de Pagamento: cartões de crédito Visa, Mastercard, Credicard, Diners);

#  PONTOS DE VENDA CAPITAL, INTERIOR E OUTROS ESTADOS

Consultar www.ingressorapido.com.br

Taxa de Compra através da Ingresso Rápido

Compra em ponto-de-venda: 15% do valor do ingresso

Entrega em domicílio Grande São Paulo: R$ 15,00

Entrega em domicílio São Paulo Capital: R$ 10,00

Retirada na bilheteria: R$ 5,00

 Para a compra de ingressos para estudantes, aposentados e professores estaduais, os mesmos devem comparecer pessoalmente portando documento na bilheteria respectiva ao show ou nos pontos de venda da Ingresso Rápido. Esclarecemos que a venda de meia-entrada é direta, pessoal e intransferível e está condicionada ao comparecimento do titular da carteira estudantil no ato da compra e no dia do espetáculo, munido de documento que comprove condição prevista em lei.

BILHETERIA:

Camarote                   R$ 160,00

Frisa                            R$ 120,00

Cadeira Alta               R$  90,00

Setor Vip                     R$ 160,00

Setor 1                         R$ 120,00

Setor 2                          R$ 100,00

Setor 3                           R$  90,00

* Clientes HSBC têm pré-venda exclusiva e 25% de desconto. O limite é de 04 ingressos por pessoa e a promoção não é cumulativa com outros descontos.

Capacidade: 1800 lugares

Censura: 14 anos (desacompanhados). Menores dessa idade somente acompanhados dos pais ou responsáveis.

Duração: Aproximadamente 1h30

Abertura da Casa: 2h antes do espetáculo

Estacionamento: Hot Valet (com manobrista)

Aceitamos dinheiro e cartões de débito e crédito (Visa, Mastercard, Credicard e Diners)

Não aceitamos cheques

Acesso para deficientes físicos

Ar condicionado

ASSESSORIA DE IMPRENSA DO FESTIVAL DE FADO & CASA DO FADO / São Paulo

DEZ COMUNICAÇÃO / Marilda Vieira.

Tel: (11) 36663299/96900-1322

E-mail: dezcom@uol.com.br

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA HSBC BRASIL / São Paulo

Cristiane Batista

Tel.: (11) 5646.2109

E-mail: imprensa.sp@grupotombrasil.com.br

ASSESSORIA DE IMPRENSA TOM JAZZ / São Paulo

Clarisse Goldberg  

Tel : (11) 975758106

E-mail: clarisse.goldberg@tomjazz.com.br